quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Preguiça

Baiano passeando com o cachorro....

Meu nome é Marcão....

Esta é a história de um caminhoneiro que viajava por todo Brasil e seu lema era:
'MEU NOME É MARCÃO, SOU DO MARANHÃO, GOSTOSÃO, ENTROU NA MINHA
BOLÉIA NÃO TEM PERDÃO!'
E craaaauuuu na mulherada.
Já estava dois meses dirigindo pelas estradas em jejum, não conseguia pegar nenhuma mulher. Eis que, de repente, ele vê à sua frente uma freira, novinha, bonitinha, pedindo carona.
Ele pensa:
- Que Deus me perdoe!
Parou o caminhão e a freira subiu.
- Bom dia, meu filho! Você poderia me levar a cidade mais próxima?
- Bom dia, dona freira! Claro, mas tem um pequeno problema:
'MEU NOME É MARCÃO, SOU DO MARANHÃO, GOSTOSÃO, ENTROU NA
MINHA BOLÉIA NÃO TEM PERDÃO!
- Calma, meu filho! Aqui na frente está reservado para Deus, porém, atrás está livre.
Não deu outra. Marcão mandou ver na freirinha. Dirigindo pela estrada, Marcão ficou pensando na besteira que tinha feito, quando ela diz:
- Meu filho, pode parar que eu vou descer aqui nesta fazenda.
Marcão respondeu:
- Dona freira, desculpe pelo que fiz com a senhora, que Deus me perdoe, mas a senhora sabe como é ficar solitário muito tempo.
Respondeu a freira:
- Não tem problema, Deus vai te perdoar, por que:
'MEU NOME É AMARAL, SOU DE NATAL, HOMOSSEXUAL E ESTA É A
MINHA FANTASIA DE CARNAVAL!!!

Para sua leitura e reflexão

PESSOA SENSÍVEL

Autor Desconhecido

Nenhum de nós pode escolher as coisas que nos acontecem, algumas boas, outras más. Mas todos podemos escolher nossa resposta às coisas que nos acontecem. Você não é prisioneiro das reações.

Algumas pessoas dizem que são muito "sensíveis", que se magoam facilmente, que se decepcionam com amigos, colegas e família e com aquilo que outros dizem ou fazem. Tais pessoas, que se dizem "muito sensíveis" na verdade não têm muita sensibilidade. Pessoas sensíveis - por definição - são capazes de obter uma gama maior de informações sensoriais e emocionais vindas de outros e, portanto, geralmente são muito mais compreensivas, calmas e raramente se desapontam com os comportamentos alheios, exatamente porque sua sensibilidade aguçada mostra mais do que as aparências, evitando que se desapontem.
Além disso, pessoas sensíveis jamais dizem que são sensíveis.

Então o que são aquelas pessoas que a todo momento se definem como sensíveis, que ficam deprimidas por razões aparentemente pequenas e cujos dias são destruídos por uma advertência do chefe, por uma crítica dos colegas, por uma frase mal construída de um membro da família?

Elas não são sensíveis? Não. Tais pessoas são reativas - o contrário de sensíveis. Pessoas reativas não pensam. Ou melhor, pensam que pensam, quando somente reagem emocionalmente a qualquer coisa, sem refletir, sem controlar, sem observar o todo, como crianças.

Todos nós somos reativos, vez ou outra, mas conforme amadurecemos nos tornamos menos reativos e mais sensíveis, já que escolhemos nossas respostas.
Quando somos crianças, simplesmente reagimos - o que é natural -, por isso, adultos reativos são, normalmente, acusados de um comportamento infantil e birrento.

Uma pessoa sensível, por obter mais informações que estão à sua volta, raramente perde o controle, mesmo quando atacada porque, sendo sensível, ela observa e e-s-c-o-l-h-e a melhor r-e-s-p-o-s-t-a.
Raramente reage, como um animal faminto faria. Você não tem o poder de escolher aquilo que te acontecerá hoje, amanhã ou depois.
Mas você tem o poder de escolher a melhor resposta a tudo o que vai acontecer. Resposta não é reação.
Reação é sinônimo de programa automático. Resposta é sinônimo de escolha.

Seja mais sensível, esta semana, evitando dizer a primeira coisa que lhe venha à mente, mesmo que seja algo que você diz pra você mesmo.
Escolha as palavras, escolha os pensamentos, escolha as respostas, fugindo da armadilha que torna a vida das pessoas reativas sempre dependente de cada problema que acontece.
E observe aqueles que dizem que são "sensíveis".
Olhe o comportamento dessas pessoas.

Você verá que elas são completamente dependentes dos humores de outros e dos acontecimentos externos. Elas simplesmente reagem por mais que racionalizem e se enganem, afirmando que suas reações são causadas por sua suposta sensibilidade. Sempre apresentarão razões para suas dores e tristezas, mas ainda assim estarão somente reagindo.

Você tem o poder de escolher aquilo que é melhor. Você pode!
Porque, como afirma Stephen Covey:
"Entre o que acontece comigo e minha reação ao que acontece comigo, há um espaço. Neste espaço está minha capacidade em escolher minhas respostas e definir meu destino".

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Galo carijó

Um fazendeiro tinha um galinheiro com 180 galinhas e estava procurando um bom galo para reproduzir.
Um dia, ele vai a uma agropecuária e diz para o vendedor:
- Procuro um bom galo capaz de cobrir as minhas 180 galinhas.
O vendedor puxa uma gaiola com um galo enorme, musculoso, com a crista de pé, de topete,
olhos azuis e uma tatuagem dos Rolling Stones no peito, e diz:
- Leva esse aqui, o Alberto. Ele não falha.
O fazendeiro leva o galo e, no dia seguinte, pela manhã, solta o galo no galinheiro.
O galo sai correndo, pega a primeira galinha, e dá duas sem tirar.
Pega a segunda, dá a primeira, e quando está já na segunda...cai frito.
O fazendeiro volta na loja e grita:
- Este galo puto comeu duas galinhas e capotou.
O vendedor se desculpou e puxou outro galo: Preto, de crista amarela, olhos cinza e tênis da Nike.
- Esse aqui é o Fernando. Não falha nunca.
O fazendeiro volta com o galo e repete a história: solta o bicho no galinheiro, e o galo sai alucinado: come a primeira galinha de pé, pega a segunda e traça, na terceira ele faz o 69 e quando estava bombeando a quarta, cai morto no meio do galinheiro. O fazendeiro, emputecido, volta na loja e diz:
- Escuta aqui, ô filho da mãe aquele galo broxa caiu morto.
É melhor você me vender um galo decente ou vou tocar fogo nesta merda.
Então o vendedor puxa um galo desnutrido, sem crista nem penas,com olheiras, corcunda, com tênis Bamba de lona e uma camisa azul claro que dizia 'Orgulho de ser Mineiro ' e diz ao fazendeiro:
- Olha, é só o que me resta.
O nome dele é Carijó e chegou por engano num carregamento que veio de Minas.
O fazendeiro, puto da vida, leva o galo pensando: 'O que vou fazer com este galo mineiro, todo franzino?
Chegando à fazenda, solta o Carijó no galinheiro:
O galo tira a camisa e sai enlouquecido traçando as 180 galinhas de uma vez só.... Da uma respirada...... e traça as 180 galinhas de novo...sai correndo e pega o pastor alemão.....
Aí o fazendeiro o pega, dá dois sopapos e para acalmá-lo, acaba trancando-o na gaiola.
- Caramba, que fenômeno! As galinhas ficaram doidonas!
No dia seguinte solta o bicho de novo: o galo sai faturando tudo que vê: o cachorro, o porco e duas vacas.. O fazendeiro corre, pega ele pelo pescoço, dá uma chacoalhada para acalmá-lo e joga ele na gaiola de novo.....
No terceiro dia, o fazendeiro encontra a gaiola toda arrebentada, as galinhas com as xanas para cima, o porco com o rabo pro sol, bodes passando Hipoglós na bunda, uma capivara mancando, um pônei sentado no gelo.....
Até que, de repente, distância, vê o Carijó caído no chão e os urubus voando em círculos sobre o pobre galo...
- Nããããooo ...O Carijó morreeeuuu ....o meu Caaarrriiiijjjjóóóó! O melhor galo do mundo! No meio do lamento e da choradeira, cuidadosamente o Carijó abre um olho, olha para o fazendeiro, pisca e diz:
- SILÊNCIO Ô FIO DUMA ÉGUA! AS NEGUINHAS JÁ TÃO QUASE DESCENDO AQUI!

Joãozinho de novo

O Joãozinho está sentado na 1ª fila.
O professor pede aos alunos para darem exemplos de excitantes naturais na natureza:
- O café! - responde a Maria
- Muito bem - diz o professor
- O álcool! - responde o Antonio
- Muito bem - diz o professor
- Uma mulher pelada! - responde o Joãozinho

O professor, num tom de voz severo:
- Vais dizer ao teu pai para vir falar comigo amanhã, tenho duas palavrinhas para lhe falar...

No dia seguinte o professor repara que o Joãozinho está sentado na última fila. Pergunta-lhe:
- Joãozinho, deste o recado ao teu pai?
- Sim, senhor professor
- O que é que ele te disse?
- Ele disse-me: se o teu professor não fica excitado com uma mulher pelada é porque é viado!
Fica longe dele, meu filho.'

O fazendeiro e as porcas

Um fazendeiro comprou vários porcos e porcas, pois queria começar uma criação na fazenda.
Depois de várias semanas, notando que nenhuma das porcas emprenhara, ligou para o veterinário pedindo ajuda.
O veterinário disse ao fazendeiro que ele teria que fazer uma inseminação artificial. O fazendeiro não tinha a menor idéia do que era aquilo, mas não querendo demonstrar ignorância, concordou e perguntou ao veterinário como saber quando as porcas estariam prenhas.
O veterinário disse que elas parariam de ficar andando e iriam mergulhar na lama o dia todo.
O fazendeiro desligou o telefone e ligou para o compadre, para perguntar como se fazia isto.
Ele disse que inseminação artificial significava que ele mesmo teria que emprenhar as porcas.
Então, ele colocou as porcas na kombi e foi para o meio do mato e transou com cada uma delas.
Voltou para a fazenda e foi para a cama descansar. Na manhã seguinte, ele foi ver as porcas e elas continuavam andando pra lá e pra cá. Ele concluiu que teria que fazer tudo de novo. Colocou as porcas na kombi e foi para o meio do mato e transou com cada uma, duas vezes, para garantir.
Voltou para a fazenda e foi para a cama descansar.
Na manhã seguinte, ele foi ver as porcas e elas continuavam andando pra lá e para cá.
Bem, teria que fazer tudo de novo... Colocou as porcas na kombi e foi para o meio do mato e passou o dia transando com cada uma delas, várias vezes.
Voltou para a fazenda e, esgotado, atirou-se a cama.
Na manhã seguinte, ele nem conseguia abrir os olhos, muito menos levantar para olhar as porcas.
Então, ele pediu à mulher para dar uma olhada e ver se as porcas estavam na lama.
- Não', disse ela. 'Estão todas na kombi e uma não para de buzinar!'

Neurônio masculino

Havia um único neurônio no cérebro de um homem.
Um dia, um outro neurônio passa por lá meio apressado.
O neurônio solitário diz:
- Olá! Tudo bem? Como vai? Prazer em vê-lo! Vamos conversar?
O neurônio que passava pelo cérebro estranha a hospitalidade e responde:
- Olá, companheiro! Posso saber o motivo de tanta felicidade ao me ver?
- Quer saber? Você é o primeiro neurônio que vejo passar por aqui depois de décadas... Estou sozinho há tanto tempo nesse maldito cérebro...
- Mas espera aí... há quanto tempo você está aqui solitário?
- Bem... Desde sempre... Sempre estive aqui...
- Cara, mas você é burro mesmo! Desce pro pinto ... Tá todo mundo lá!