quarta-feira, 30 de agosto de 2006

Texto de Mario Quintana

Minha Princesa Neusa me enviou um texto lindo do escritor Mario Quintana (Mario, que Mario ??? :-D)...

FELICIDADE REALISTA

A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.

Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor?

Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão.

Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Ter um parceiro constante pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.

Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.

Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar
passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno. Olhe para o relógio: hora de acordar É importante pensar-se ao extremo, buscar lá d entro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se.

Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz.

Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração. Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade.


(Mário Quintana)

sexta-feira, 25 de agosto de 2006

Mais uma notícia do "Diarinho"

Algumas notícias publicadas no "Diarinho" de Itajaí são realmente hilárias. Abaixo tem mais uma notícia da seção "Geral" do jornal de 25/08 :

"Viadagem do DIARINHO sofre impacto emocional com não da ANJ

Desde o último dia 16 de agosto, a viadagem do DIARINHO tá de luto e à base de calmantes e antidepressivos, além de iniciar uma terapia em grupo com um líder espiritual tibetano que entoa mantras destinados a combater a impotência sexual e a influência do pagamento de CPMF em nossas vidas. Todo este processo cármico na vida de diretores, jornalistas, funcionários e jornaleiros do DIARINHO tá rolando porque a Associação Nacional de Jornais (ANJ), reduto só de gente boa, negou a possibilidade de o jornal mais cocudo do sul do mundo se filiar ao grupo. O que deixou a galera ainda mais borocochô é que a cambada da ANJ sequer informou ao DIARINHO o motivo de não querer filiar o jornal catarina.
Num e-mail pra lá de meia-boca, um diretor executivo da associação, Fernando Martins, disse apenas que não tá a fim de ter o DIARINHO entre seus prestigiosos, melodiosos e anabolizados veículos. "Informamos que a diretoria da Associação Nacional de Jornais, em reunião no dia 16 de agosto, deliberou não aceitar o pedido de filiação à nossa associação desta empresa jornalística. Atenciosamente, fulano de tal". Esta foi a pomposa resposta do engravatado – ou seja, o cara cagou pro MACRIADO.


Problemas psiquiátricos

Desde então, o impacto emocional foi tão caudaloso que a redação não conseguiu mais seguir com seu ímpeto criativo. Os brilhantes cérebros do jornal estão cada vez mais cabisbaixos e atrofiados – uns pelo uso de substâncias químicas impublicáveis, é claro – mas a maioria devido à desalmada resposta de Fernando Martins.
A direção do jornal já constatou que há até casos extremos de desgosto pela vida – um dos repórteres, um baiano da sucursal de Balneário Camboriú – passou a assistir a novela "Feridas de Amor", no SBT. Não perde um capítulo. Outra repórter, a de Floripa, tá trancafiada em sua sucursal desde o dia 16, tomando doses e doses de suco de tomate, infladas por Melhoral Infantil e ouvindo toda a coleção de LPs do Amado Batista.
Um terceiro profissional, de Navegantes, assumiu feições animalescas e é caso de difícil retorno psiquiátrico, pois além da negativa da ANJ, bebeu água do Semasa. Aí foi mesmo fatal. São ou não são casos extremos de desgosto, cuja origem psicológica deve estar na negativa da ANJ em ter o DIARINHO como filiado?


Editores feios

As hipóteses para a negativa são muitas. Mas a mais forte é que, os poderosos executivos da ANJ são avessos ao linguajar popular, à coragem editorial da galera do jornal e principalmente à estética facial dos editores de Geral, Esportes e Polícia do MACRIADO (não que a associação deixe de ter razão, afinal estes três editores, em particular, são realmente mais feios que o capeta escovando o dente podre com carvão). Mesmo assim, na opinião dos capos do DIARINHO, a ANJ foi preconceituoso. E como!"

quarta-feira, 23 de agosto de 2006

Notícia do "Diarinho" de Itajaí

O jornal "Diarinho" de Itajaí tem sempre uma forma divertida de dar uma notícia com sotaque peixeiro e linguagem popular. A notícia abaixo foi copiada do jornal impresso, na seção "Mundo" do ultimo dia 22/08 :

"Cara nasce com dois bilaus e quer arrancar o tico extra

Um empresário indiano de 24 anos tá internado num hospital da capital daquele país, Nova Deli, pra arrancar o bilau fora. Quem pensar que a criatura quer virar moça tá enganado. Por uma aberração da natureza, o homem nasceu com dois ticos. Isto mesmo: dois negocinhos pra fazer xixi. Conforme o jornal local, este é um caso nunca registrado na literatura médica, porque os dois instrumentos funcionam muito bem, o que não aconteceu em outros 100 casos, em que um dos bichos era atrofiado e não servia nem pra espantar mocréia.

A viadagem do DIARINHO ficou super interessada na história, pegou um avião pra Nova Déli, e foi dar uma pesquisada in loco pra saber como um cara pode nascer com dois pintos. Até onde foi possível investigar sem ficar com a cara vermelha de vergonha, soube-se que o caso do indiano foi uma falha na formação de uma das camadas do embrião, a tal da mesoderme, lá na barriga da mãe dele.

Ao invés de fazer o cara com uma jeba bem grande, a mãe natureza achou que ele ficaria bem mesmo era com duas bilombas chacoalhando no meio das pernas. Brincadeiras à parte, que o homem ampute a aberração, seja muito feliz e que tenha conversado com a dona patroa antes, porque vai que ela gostava?
"